Aos 64 anos, a atriz Françoise Forton faleceu neste domingo, 16. Há quatro meses, a artista estava internada na clínica São Vicente, na Zona Sul do Rio de Janeiro para tratar um câncer. Com início na região da bacia, a doença posteriormente chegou aos pulmões, segundo informações do G1.

O primeiro tumor que Forton enfrentou foi diagnosticado em 1989, no colo útero. Na época, ela chegou a entrar e depressão, mas guardou o segredo por dez anos. Apenas os médicos e o diretor de “Tieta”, novela que ela gravava nesse período, sabiam de sua condição.

Em 2020, durante sua participação no “Encontro”, ela explicou os motivos para quebrar o silêncio. “Não falava da doença, fiquei dez anos sem falar. Hoje, faço questão de falar, questão de ir a público, poder participar das crianças. Minha vida mudou inteiramente. Eu me reeduquei, mudei a minha alimentação”, disse.

Em 2016, a artista deu detalhes sobre o diagnóstico para uma publicação do Instituto Nacional do Câncer (Inca). De acordo com Forton, ela tinha o hábito de fazer consultas de rotina, mas deixou de fazer o papanicolau com frequência.

“Eu fazia mais ou menos uma vez por ano, às vezes dava mais espaço. Na verdade, não tinha tanta preocupação com isso, porque nunca senti nada, nem dor, nem nenhum sintoma estranho, nada mesmo. Confesso que dei uma esquecida. Em 1991, eu ia fazer uma novela, mas antes resolvi tirar o DIU [dispositivo intrauterino para evitar a gravidez] e me deu vontade de pedir para fazer um Papanicolaou”, explicou.

Com o resultado em mãos, ela contou sobre o susto. “Eu não tinha histórico de câncer na família. Fiquei apavorada. A primeira coisa que veio à cabeça foi: ‘Isso mata e eu não quero morrer'”, disse à revista Rede Câncer.

Carreira

Sua estreia nas telinhas foi ainda na adolescência, na novela “A última valsa”, exibida na TV Globo em 1969. De lá para cá, Françoise fez mais de 40 produções e muitas participações na TV. Um de seus papéis mais marcantes foi viver Tetê, em “Estúpido cupido”. Seu último trabalho foi “Amor sem igual”, em 2019.

No cinema, sua carreira também teve mais de cinco décadas, marcando presença em filmes como “Marcelo Zona Sul”, “Jardim de Alah” e “Coração de Cowboy”. Já no teatro, chegou a ganhar alguns prêmios como o Festival Internacional de Angra, em 2011, por “Chopin Sand?”.

Por FAMOSOS E CELEBRIDADES