O ministro da Justiça, Anderson Torres, afirmou à CNN que “ainda bem que isso acabou. É um alívio para a população” sobre Lázaro Barbosa, na ação que culminou na morte do suspeito de matar uma família em Goiás, e cometer outros crimes.

O ministro foi comunicado por tropas federais. “Trata-se de um monstro. Não há outra forma de adjetivá-lo. Matou uma família inteira, dois jovens, pai e mãe de forma bárbara”, disse. Ele evitou comentar sobre a morte de Lázaro Barbosa, disse que o governo de Goiás foi o responsável pela operação e que o governo federal prestou auxílio mas não encabeçou a ação.

De acordo com o governo de Goiás, houve um enfrentamento entre as equipes da polícia e Lázaro Barbosa. Uma fonte da investigação afirmou à CNN que Lázaro “nunca deixou de estar armado”.
Esta é a primeira manifestação de um integrante do alto escalão do governo federal após a ação em Goiás.

Governo do DF defende operação

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, defendeu à CNN a ação policial que culminou na morte do acusado de ser um serial killer, Lázaro Barbosa.

“Certamente as polícias fizeram o seu trabalho dentro dos limites da lei”, disse. “Se o resultado foi a morte desse perigoso assassino certamente foi pela situação de confronto criada pelo próprio”, ressaltou.

As circunstâncias em que se deu a prisão apontam para um enfrentamento entre o suspeito e a polícia. De acordo com o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, houve troca de tiros. Lázaro foi baleado e morreu.

Por CNN Brasil